Exposição Um olhar sobre a Cidade!

Os estudantes do 8º ano montaram uma bela exposição para a disciplina de História, com fotos autorais sobre nossa cidade.

Para complementar os estudos, nossos alunos ainda tiveram uma palestra mais que especial com o Arquiteto e Artista Gráfico, Jorge Arbach.

 

Confira no vídeo a exposição montada pelos alunos do 8º ano. A exposição foi veiculada internamente no Colégio Cave.

 

Exposição 8º ano | Disciplinas de História e Linguagens

 

As Cartas da Grande Guerra

Um trabalho da disciplina de História, 9º ano Fundamental II

 

Mandar uma carta para um soldado no front durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) era o tipo de missão que podia se tornar uma verdadeira batalha. Em dezembro de 1914, estima-se que mais de 2 milhões de correspondências foram enviadas – uma delas chegou a ser repostada 257 vezes. Durante todo o confronto, cerca de 2 bilhões de cartas e 114 milhões de encomendas foram entregues pelo correio britânico.

Surge então o trabalho realizado pelos alunos do 9º ano do Fundamental I: As cartas da Grande Guerra.

 

Com base em todo o conteúdo visto da 1º guerra mundial, foi sugerido que os estudantes redigissem cartas como se eles próprios estivessem na linha de frente das batalhas, nas trincheiras. Assim, muitas das cartas estão sujas, algumas manchadas de sangue, remetendo justamente ao momento em que teriam sido escritas.

Os alunos soltaram a imaginação e entraram nos personagens, escrevendo cartas em alemão, francês ou até em códigos para não serem facilmente decifradas. Cada estudante criou um personagem baseado no conteúdo histórico estudado durante as aulas.

 

Confira a seguir as fotos das cartas e, abaixo, um dos textos!

 

“Logo após o fim do conflito, George S. Caldwell, aos 21 anos, escreveu à sua mãe enquanto se recuperava de ferimentos na França. Caldwell, que morava na Pensilvânia, afirmou que estava bem, apesar de ter sido baleado três vezes. “Estamos com saúde e comendo bem”, relatou George. “Você perguntou se eu estava ferido no braço. Bem, sim, eu estava ferido no braço – no pulso direito – acabei levando 12 pontos para conter a ferida. Eu fui exposto a um pouco de gás, mas nada que pudesse me machucar. Também tive minhas pernas atingidas por uma metralhadora.”

 

Aluno do Colégio Cave ganha bolsa de Iniciação Científica Jr.

Aluno do Colégio Cave ganha bolsa de Iniciação Científica Jr., por brilhante colocação na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA)
O estudante foi medalhista de ouro em 2020, o que garantiu essa conquista.

 

O estudante de 16 anos, Lucas Hansen, foi agraciado com uma ótima notícia: ganhou uma bolsa de Iniciação Científica Jr. CNPq/MCTI do Auxílio Brasil. O estudante do Colégio Cave, medalhista de ouro em 2020 e prata em 2021 na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, recebeu hoje por e-mail, a boa notícia. Para garantir o recebimento da bolsa, Lucas precisa participar do Programa de Mentorias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação.

 

Lucas ingressou no Colégio Cave há 3 anos e é bolsista desde o 9º ano do Ensino Fundamental II. Foi com os professores de física, Allan Diego e João Victor, que o estudante recebeu incentivo para participar da competição. Já em 2020, em sua primeira participação, Lucas conquistou a medalha de ouro (pela qual foi agraciado com a bolsa) e medalha de prata em 2021. O estudante já pensa em seguir a carreira mais disputada nas universidades, “meu grande interesse é tentar a Medicina aqui na UFJF. Tenho uma grande admiração por Física e, se pudesse, tentaria o curso como uma opção de aprimorar meus conhecimentos e trazer isso para minha vida pessoal, uma grande paixão”, diz Lucas, que hoje está cursando o 2º ano do Ensino Médio e é altamente comprometido com seus estudos.

 

Na foto, o aluno Lucas Hansen Trevisan Passos,
e o professor de Física do Colégio Cave,
Allan Abreu.

Confira a reportagem completa da TV Integração, aqui. 

As competições acadêmicas são amplamente incentivadas pelos professores e equipe pedagógica do Colégio Cave: só em 2021, os alunos trouxeram 7 medalhas, dentre elas, 1 ouro. Os jovens estudantes são incentivados desde o Ensino Fundamental II a participarem das competições e se dedicarem a elas, que podem até render uma vaga na universidade.

 

Lucas já dá a deixa: as inscrições para a competição deste ano já estão abertas e vão até dia 20 de maio.

 

A bolsa de Iniciação Científica Jr CNPq/MCTI do Auxílio Brasil é uma iniciativa do Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, voltada a estudantes de baixa renda atendidos pelo Auxílio Brasil que participarem e conquistarem bons resultados em olimpíadas de conhecimento organizadas pelo MCTI: a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), Olimpíada Nacional de Ciências (ONC), Olimpíada Internacional de Física e Cultura (IPhCO) e Olimpíada Nacional de Aplicativos (ONDA).

A bolsa tem vigência de 12 meses, assim como a mentoria oferecida aos alunos atendidos pelo programa.

(fonte: https://www.gov.br/mcti/pt-br/acompanhe-o-mcti/noticias/2021/12/cnpq-mcti-inicia-pagamento-de-bolsas-de-iniciacao-cientifica-jr-do-auxilio-brasil-nesta-sexta-feira-24)

 

Colégio Cave 
19 de abril de 2022

 

Formatura 3º ano 2021

Confira algumas fotos da formatura 2021!

Resultado Bolsão Cave On 2022

O Bolsão do Cave On foi um sucesso, assim como seus ganhadores!

 

Nossos candidatos se superaram com os resultados e aqui vão os nomes dos felizardos que foram contemplados, cada um, com 1 bolsa integral no curso Cave On 2022:

 

  • Dalila Arthidoro Kummel
  • Layza Vieira Eler
  • Marcus Vinícius Almeida Moraes
  • Vanessa do Nascimento Ladeira
  • Yasminn Pedrosa Ferreira 

 

Desejamos uma excelente trajetória a todos!

 

 

Como 2022 acena para 1922?

 

A Semana de Arte de Moderna de 1922 consistiu em um evento realizado no Theatro Municipal de São Paulo nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro.

A iniciativa de organizá-la pode ser atribuída ao feliz encontro entre os interesses de uma ascendente burguesia paulista e uma emergente vanguarda artística e literária brasileira. Para a elite enriquecida pelo boom da economia cafeeira e que prefigurava a formação de uma metrópole industrial e moderna, investir em uma nova safra de artistas e escritores que propunham justamente a modernização das práticas estéticas lhes parecia bastante oportuno. Contudo, na colheita, vieram frutos estranhos. Entre os solos de piano do Guimar Novaes, principal atração do evento, e a música erudita de Heitor Villa-Lobos, entre outros, os modernistas torpedeavam o público com suas dissonâncias: poemas insultando a burguesia (Mário de Andrade) ou comparando a estrutura rítmico-melódica da venerada poesia parnasiana ao coaxar de sapos (texto de Manuel Bandeira lido por Ronald de Carvalho); pinturas de orientação expressionista, com rostos amarelados e pinceladas visíveis ricocheteando para diferentes direções, como as de Anita Malfatti, e esculturas talhadas sob a perspectiva primitivista, como o célebre “Cristo de tranças” de Victor Brecheret, garantiam ao vernissage o seu quinhão na tarefa de inquietar o público. Ainda que, especula-se, as vaias e apupos que os espectadores, como contratorpedeiros, lançavam em direção aos artistas viessem, em parte, de uma claque organizada por Oswald de Andrade para garantir ao evento o furor necessário para que fosse, hoje, objeto de lembrança e celebração. Missão cumprida.

 

Mas o que aquela semana do mês de fevereiro de 1922 tem a dizer para esta semana do mês de fevereiro de 2022? Sob o ponto de vista do seu legado, o que chamamos de marco provocado pela Semana de 22 se deve ao papel do evento na arregimentação de um conjunto de práticas críticas, estéticas e políticas, tais como, entre outras, a assimilação seletiva das vanguardas europeias, a revisão crítica do passado histórico brasileiro, a desconstrução da noção de identidade nacional forjada pelo romantismo, a valorização da mestiçagem e do sincretismo cultural brasileiro.

As reverberações da semana, no curso dos anos 20, nos legaram obras indeléveis da nossa tradição cultural: a pintura de Tarsila do Amaral sedimentou traços e cores arquetípicos do Brasil, o que é evidenciado em sua ampla circulação nas mídias, como no recém-lançado filme Tarsilinha; Macunaíma, rapsódia de Mário de Andrade, se inscreveu, embora com muitos equívocos, como uma forte rubrica para se pensar a formação da identidade cultural brasileira; o conceito de antropofagia, forjado por Oswald de Andrade seis anos depois da Semana de 22, foi se sedimentando como uma poderosa teoria cultural, que tanto orientou práticas estéticas, como o Cinema Novo e o Tropicalismo, como, contemporaneamente, reflexões teóricas no campo das Ciências Humanas, como o conceito de  perspectivismo ameríndio.

 

 

Para além da celebração e da avaliação do seu legado, 2022 devolve o olhar para 1922 sob uma perspectiva crítica. Hoje, essa efeméride é ocasião para se pensar a célebre semana sob a perspectiva de uma crítica cultural aguda, que se questiona, por exemplo, sobre o modo como paulistocentrismo do evento ofuscou outros importantes modernismos, como o mineiro e o pernambucano; ou sobre o papel desempenhado por mulheres e negros no evento. Nesse sentido, o show de lançamento do álbum AmarElo que o rapper Emicida realizou no Theatro Municipal de São Paulo, em novembro de 2019, soa emblemático, pois, ao abrir as suas portas para a diversidade musical, racial, social e de gênero, torna-o palco e testemunha de rupturas estéticas e culturais dos últimos 100 anos. É assim, como devolutiva, que 2022 acena para 1922.

 

Professor Alex Martoni, time de Literatura do Colégio Cave 

 

Como solicitar recurso nas provas do PISM?

Finalizadas as avaliações do PISM e houve algum detalhe que gerou dúvida na formulação das questões ou alguma pendência referente ao gabarito que gostaria de entrar com recurso? Saiba como questionar:

Recursos referentes a questões e gabaritos

 

Nesta segunda, 07 de fevereiro de 2022 de 09h as 16h, serão protocolados os recursos de contestação, na Central de Atendimentos no Prédio da Reitoria (Rua José Lourenço Kelmer, s/n Campus da UFJF, Bairro São Pedro em Juiz de Fora) ou enviados por e-mail para vestibular@ufjf.edu.br.

Qualquer candidato ou representante de estabelecimento de ensino poderá protocolar seu pedido de recurso. Para isso, é necessário somente o preenchimento do formulário disponibilizado no site da COPESE, constando as razões e especificando cada questão contestada ou gabarito. A COPESE deverá acusar o recebimento do recurso protocolado via e-mail. E caso não seja feita essa confirmação, o candidato deverá comunicar diretamente ao setor para certificar o recebimento pelos telefones (32) 2102-3738 ou (32) 2102-3755.

O resultado da validação destes recursos e o gabarito oficial da prova vão ser divulgados dia 31 de março de 2022 no site da Copese. E caso alguma questão seja anulada decorrente ou não de recursos, o ponto da questão anulada será somado à nota do conteúdo para todos os candidatos que fizeram aquela prova.

Vale ressaltar também que o Colégio Cave faz a revisão de toda a prova e sempre entra com os recursos julgados necessários pelo time de professores. Sendo assim os alunos podem contar com a disposição dos mestres para tornar a correção do exame ainda mais pontual.

Recursos referentes a notas do PISM III

 

Já os recursos referentes as notas do módulo III (que serão divulgadas no dia 24 de março de 2022) deverão ser feitos no dia 25 de março de 2022, entre 9h e 16h, através de formulário próprio, disponibilizado no site da COPESE, entregue na Central de Atendimento no Prédio da Reitoria, Rua José Lourenço Kelmer s/n Campus, bairro São Pedro, em Juiz de Fora, OU enviados para o e-mail vestibular@ufjf.edu.br, mediante algumas condições.

Só serão aceitos pedidos de revisão de no máximo dois conteúdos por recurso. Cada requerimento irá gerar uma taxa no valor de R$24,00 por conteúdo, a ser paga no ato do protocolo de recurso. A COPESE deverá acusar o recebimento de todos os recursos via e-mail. Caso não receba essa confirmação, é responsabilidade do candidato comunicar ao setor e se certificar através dos telefones (32) 2102-3738 ou (32) 2102-3755.

O resultado dos recursos serão divulgados junto do resultado final do módulo III, no dia 31 de março de 2022. Caso seja confirmada a procedência da reclamação feita através do recurso, o candidato terá sua nota alterada e será devolvida a taxa paga através dos dados bancários por ele fornecidos. Não há devolução da taxa em nenhuma outra hipótese.

Recursos referentes a notas dos módulos I e II

 

As notas do PISM I e II serão divulgadas apenas em 17 de maio de 2022.
Os recursos concernentes às notas das provas dos candidatos deverão ser requeridos na data de 18 de maio, das 9h às 16h, diretamente pela Área do Candidato, acessada pelo site da Copese, e só será admitido o pedido de revisão de, no máximo, dois conteúdos. A nota do candidato, mediante ao recurso, poderá ser aumentada ou mantida. O valor da taxa, por conteúdo, é de R$ 24. As regras dos outros procedimentos de protocolo de recurso também são válidas neste caso.

 

O julgamento do pedido de revisão é feito pela Copese e ao contrário do terceiro módulo, não será excluído dos módulos I e II do Pism, o candidato que obtiver nota zero em qualquer um dos conteúdos exigidos naquele módulo. Por fim, é importante ressaltar que em todos os casos, da decisão da COPESE relativa aos recursos sobre notas não cabe recurso.

Os resultados das interposições serão divulgados no dia 26 de maio, a partir das 15h.

 

 

 

Fonte: https://www2.ufjf.br/noticias/2022/05/17/notas-do-pism-i-e-ii-serao-publicadas-nesta-terca-feira-17/
Atualizado em 18 de maio de 2022.